segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Jovens Virtuais

Tem dias que você está pensativo em relação a alguns assuntos, um momento de nostalgia de como era algumas coisas e como elas estão hoje em dia. Na noite de natal, depois que eu deixei meus pais no Sítio Novo – To, e fui pra casa da minha namorada, resolvemos passar na casa de uma amiga nossa, isso depois da meia noite. Chegando lá, tinha uma turma reunida na varanda da casa e um violão animando a roda de amigos, além da famosa cerveja. Várias pessoas ali cantando música em comum, bebendo cerveja, risos até que, ao meu lado, um jovem entre 17 a 20 anos não sei ao certo, pega um seu celular e percebo que ele está teclando no msn. Cara, nem na noite de natal em uma roda de amigos, tomando cerveja e tocando violão os jovens não largam as “comunidades virtuais” ? Nessa hora lembrei de outra ocasião em que estávamos em uma pizzaria comendo pizza e falando muita besteira, todo mundo sorrindo até que uma amiga nossa tira uma foto com o seu celular de mim e minha namorada e instantaneamente posta no facebook. Realmente as comunidades virtuais estão tirando a vida social das pessoas, cada vez mais o contato direto está se perdendo. A interação direta entre pessoas, é uma pena. Algumas vezes, penso na minha infância onde eu brincava na rua com meus amigos até tarde da noite e só parava a brincadeira quando meu pai ou minha mãe iria me buscar, geralmente acompanha de ameaças de “taca”. Não tínhamos celulares muito menos essa paranoia de andar o tempo todo com o celular no bolso. Hoje as brincadeiras de rua foram substituída pelos “jogos em rede” onde as crianças crescem sem fazer exercícios, sedentárias e obesas. Na minha infância e começo da adolescência, subíamos em cima de casas pra espiar uma vizinha tomando banho, hoje esses jovens acessam sites pornô nas madrugadas e ficam se masturbando na frente do pc. Os encontros da minha adolescência, “chegávamos nas meninas”, todos da minha geração já chegou a sentir um frio na barriga e o coração disparar antes de falar algo para alguma garota, e muitos de nós passamos pelo constrangimento de nos declararmos para o que acreditávamos ser o “amor de nossa vida”, aquele momento em que tu começa a fazer uma declaração e a menina esta ali olhando nos teus olhos e você simplesmente começa a falar, na esperança que ela ache tudo lindo e te der um beijo de cinema no final, o que nunca ocorre, isso é verdade. Nos encontros de hoje, os adolescentes perguntam se a garota tem msn, face, Orkut...Meus Deus. Dar em cima de uma menina através de uma tela de computador? Até sexo virtual estão fazendo hoje.

Podem me rotular como antigo ou quadrado, mais brincar na rua até tarde com os amigos, ver uma mulher nua de verdade, dar em cima de uma menina com ela na tua frente e fazer sexo com uma mulher e não com as teclas de um computador, são coisas muito, mais muito melhores que os jovens de hoje a cada dia estão perdendo.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Um dia de "Sorte"



Não existe nada ruim que não possa ficar pior, acho que todo mundo já ouviu isso alguma vez na vida. Numa bela manhã, onde eu teria que acordar como sempre, escovar meus dentes, tomar banho, café e dar aula, eu...acordei, escovei meus dentes, tomei banho e café, só que eu não fui dar aula. Acordei senti uma tremenda dor na garganta, estava inflamada. Além disso, eu estava sentindo o corpo febril e resolvi não ir pra escola, dois dias depois eu estava recuperado, pensei em ir pra escola no dia seguinte até que na noite que eu pensava nisso comecei a sentir uma dor muito forte no joelho direito, não conseguia mais nem dobra-lo:


- Que merda é essa?


Fui pra cama, tentei dormi de várias posições mais não conseguia, a dor estava insuportável, a volta na escola teve que ser adiada, ao invés de ir para escola, fui para num hospital, em um ortopedista pra ser mais específico.


- Foi jogando bola?
- Não.
- Malhando?
- Acho que sim, ultimamente eu estava colocando muito peso nas pernas.
- Quanto?
- 250 a 300 quilos.
- Caramba.


Depois de alguns minutos ele explica de forma científica o que na linguagem popular seria uma “inflamação no joelho devido ao peso que eu estava levantando” ele me passou 3 injeções e para colocar gelo 3 vezes ao dia durante 15 minutos.


- Beleza.


Fui pra casa e antes passei em uma farmácia pra compra as injeções, tudo certo. Isso foi uma sexta feira, parei em uma farmácia pra tomar a primeira injeção.


- Em farmácias não se aplica mais injeções?
- Não? Mais por que?
- É lei agora, não podemos mais aplicar porque alegam que se o paciente passar mal, nós não tempos estrutura pra salvar a pessoa.


Nessa hora eu lembrei de todos os “Socorrões” espalhados em todo o Brasil, será que os hospitais públicos brasileiros tem estrutura pra salvar um paciente? É melhor nem responder. Pois bem, fui então a um posto de saúde, chegando la fui bem atendido, apesar de não haver médicos, mais uma enfermeira poderia baixar minhas calças e aplicar uma injeção na minha bunda, foi o que ela fez e olha que doeu pra caramba, pense! No domingo eu tinha marcado umas aulas particulares com a minha atual namorada e com um amigo dela chamado de “Pai da Panka, o porque eu não sei, apesar do joelho doer muito, eu conseguia dirigir, indo para casa com minha futura namorada e com o amigo dela, o Pai da Panka, falei que tinha que passar num posto de saúde e quando chegamos lá pra surpresa de todos e tristeza da nação o posto estava fechado.


- Que porra é essa?


Dias depois eu fiquei sabendo que os postos de saúde não abrem dia de domingo, quer dizer que não podemos ficar doentes aos domingos? Ou que os vírus, bactérias e protozoários que causam doenças vão para a praia tomar sol e uma cervejinha, e por isso não contaminam ninguém? Prefiro achar a segunda opção. Pois bem, fomos então para um hospital particular.


- Quanto custa pra alguém me aplicar uma injeção?
- 15 reais
- o que? Só pra aplicar uma injeção? Tu pode me explicar em que seria aplicado esse dinheiro?
- Bem, tem o algodão, as luvas e a seringa.


Dá pra acreditar? É da pra acreditar. Uma bolinha de algodão, um par de luvas descartáveis e uma seringa descartável por 15 reais!!!


- Vamos la no Socorrão.


Chegando la, em elemento no balcão perguntou se eu tinha estado la alguma vez, como eu disse que não ele me pediu minha identidade e logo em seguida fez minha ficha e me entregou um papel que eu nem olhei o que tinha escrito, so perguntei se ia demorar alguém aplica uma injeção em mim, ele me apontou para uma multidão de pessoas que estavam em um salão e me disse:


- Vai demora um pouco, você é depois de todo aquele povo.
-O que?
- Tem gente ai que chegou umas 11 da manhã e ainda não foi atendido.


Isso já era mais de duas da tarde, da pra acreditar? É da pra acreditar sim. Fui então a uma farmácia de bairro e o cara me cobrou 2 reais pelo serviço. No dia seguinte eu estou em casa e por volta de meio dia meu irmão vai tirar o carro da garagem (detalhe, era a primeira vez que ele tirava o carro da garagem, tinha acabado de tirar a carteira) e ele consegue fazer a proeza de arrancar o para-choque do carro, da pra acreditar? É da pra acreditar. Pela tarde eu tive que procurar uma oficina pra arrumar o para choque do carro e durante o concerto, o pneu da frente baixa, ou seja, furou. Da pra acreditar? É da pra acreditar. Ou seja, não existe nada ruim que não pode ficar pior.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Era uma vez...




Há muito tempo, nas brumas do passado, nos dias de glória do Império Galáctico, a vida era selvagem, exuberante e livre de impostos. Grandes espaçonaves navegavam entre sóis exóticos, em busca de aventuras e riquezas nos mais remotos confins do espaço galáctico. Naqueles tempos, os espíritos eram bravos, as apostas eram altas, os homens eram homens de verdade, as mulheres eram mulheres de verdade e as criaturinhas peludas de Alfa do Centauro eram criaturinhas peludas de Alfa do Centauro de verdade. Assim foi forjado o Império.

Naturalmente, muitos homens enriqueceram enormemente, mais isso era natural e não era problema nenhum, pois ninguém era realmente pobre – pelo menos ninguém importante. E para todos os mercados mais ricos, como era inevitável, a vida tornou-se um tanto tendiosa e insatisfatória, levando-os a pensar que isso era devido as limitações dos mundos em que eles haviam se estabelecido – nenhum deles era inteiramente satisfatório. Ou o clima não era muito bom no final da tarde, ou o dia era meia hora mais comprido do que deveria ser, ou o oceano era precisamente da tonalidade errada de rosa.

Assim, surgiram circunstâncias favoráveis ao nascimento de uma espetacular indústria: A CONSTRUÇÃO DE PLANETAS DE LUXO SOB MEDIDA. A sede dessa indústria era o planeta Magrathea, cujos engenheiros hiperespaciais drenavam a matéria por buracos brancos no espaço para transforma-la em planetas de sonho – planetas de ouro, planetas de platina, planetas de borracha macia cheios de terremotos, todos eles encantadoramente feitos segundo as mais detalhadas especificações determinadas pelos homens mais ricos da Galáxia.

Mais tamanho foi o sucesso dessa indústria que o próprio planeta Magrathea logo se tornou o planeta mais rico de todos os tempos e o resto da Galáxia ficou reduzido à mais negra miséria . assim, o sistema entrou em colapso, o Império entrou em colapso, e um logo período de silêncio submergiu um bilhão de mundos famintos, um silêncio perturbador apenas pelos ruídos das canetas dos estudiosos, que passavam suas noites em claro elaborando pequenos tratados confiantes em que defendiam o valor de uma economia política planejada.

Magrathea desapareceu e logo se transformou numa lenda obscura...

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Eu ja tive Piolho



Eu já tive piolhos, na natureza existem dois tipos: os piolhos mastigadores encontrado nas aves (mastigam a base das penas) e nos mamíferos os piolhos sugadores de sangue. O calor do couro cabeludo fornece a temperatura perfeita para o desenvolvimento de suas larvas. Uma pessoa que corta o cabelo baixo ajudaria na sua visualização, mais não na sua eliminação, uma vez que a postura dos ovos se da nos locais quentes dos fios de cabelo, ou seja, bem perto da raiz. Hoje em dia, tem muitos medicamentos para a eliminação do parasita, ninguém precisa ficar careca para se livrar desse artrópode da classe dos insetos. O que mais impressiona, não é a coceira intensa e irritação do couro cabeludo, mais a história que esses organismos podem nos contar.


Em 2001, na cidade de Vilnius, capital da Lituânia, esqueletos humanos foram descobertos em uma escavação de uma obra de infraestrutura da cidade. Foram mais de dois mil esqueletos encontrados, todos juntos na mesma vala, uma vala coletiva. Quando isso veio ao mundo, surgiram duas teorias para a explicação desse amontoado de corpos, projéteis de armas de fogo nazistas poderiam ter atingido judeus enfileirados que deitariam nas valas previamente abertas, isso no famoso holocausto da segunda guerra mundial, só que nenhum projétil nazista foi encontrado.


Outra explicação, é que essa vala seria orquestrada pela polícia secreta soviética após a Revolução Russa de 1917. Durante a ocupação da Lituânia pelos russos, não faltaram habitantes deportados para os campos de trabalho soviéticos, só que essa teoria foi descarta com a descoberta de uns botões que denunciavam a época das mortes. Os mais de dois mil esqueletos pertenciam ao exército de Napoleão Bonaparte.


Em 1812, Napoleão iniciou a invasão do território russo, porém essa invasão foi um tanto “estranha” para o exército de Napoleão, a medida que ele avançava, ele encontrava cidades abandonadas e algumas incendiadas para que nada pudesse aproveitar. Os russos estavam recuando em seu próprio território sem lutar e deixavam para trás plantações destruídas e a fome para o exército invasor. Napoleão começa então a encontrar cansaço, doenças e fome em vez de glórias para exibir em Paris. Mesmo assim, Napoleão seguia firme na invasão, quando chegou a Moscou encontrou novamente mais uma cidade abandonada pelo exército do czar. Nisso, Napoleão retorna e agora além do cansaço e fome, enfrentava o frio e o inverno russo. Foram poucos os soldados que conseguiram chegar vivos a cidade de Vilnius, e nessa cidade, alguns soldados cavaram essa cova e enterraram seus companheiros formando então essa enorme vala coletiva. Eles vestiam roupas sujas, lamacentas e rasgadas, isso foi o saldo da invasão russa pelo exército de Napoleão.


Dentes coletados desses cadáveres foram encontrados fragmentos de DNA de dois microrganismos que podem ter sido responsáveis por epidemias que mataram muitos soldados, os microrganismos foram o causador da febre das trincheiras e os do responsável pelo tifo. Os piolhos se proliferaram pelo exército em decorrência do aglomerado humano associado a ausência de higiene e à desnutrição. Os microrganismos presente nos piolhos transferiram-se aos humanos e causaram as febres da trincheira e o tifo. Até hoje, nunca li nada a respeito de como os piolhos podem ser determinante na vitória de uma guerra, mais que eles foram significativo para matar muitos soldados do exército de Napoleão, isso sim, pode ter ocorrido.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Por que usamos drogas?


“A bebida provoca desejo, mas liquida o desempenho”

(Shakespeare)

Recentemente eu li um texto de um amigo, Jairo Morais, que prefere ser chamado de Gonzo Sade, sobre uma época em que, quem tinha uma coleção de "neguin" Playmobil e Comandos em ação, com seus tanques, helicópteros, era o cara. Quem tinha uma BMX e uma bola de couro, era o cara. Quem tinha uma Montain Bike ou uma mobiléte, era o cara. Hoje, que tem algumas cápsulas no bolso da calça, é o cara. Realmente a juventude ta usando muita droga, seja as “drogas lícitas” ou “drogas ilícitas”. Quando eu li esse comentário do meu amigo eu comecei a pensar como um biólogo e tentei achar uma explicação evolutiva do porque nos seres humanos usamos tanta droga, já que é um tipo de substância que acaba fazendo mal para nosso organismo. Claro que existe uma explicação única: “cada caso é um caso”, mais eu não me refiro a um caso específico, porque algumas pessoas bebem para superar as inibições ou para estarem com os amigos, outras para sufocar seus sentimentos ou afogar as mágoas e outras bebem simplesmente por que apreciam o gosto de algumas bebidas alcoólicas. Também é natural que algumas drogas estejam relacionadas a determinadas classes sociais, pois não é surpresa que o alcoolismo autodestrutivo seja um problema maior nas áreas da Irlanda onde há altas taxas de desempregado do que no sudeste da Inglaterra, ou que o abuso de crack seja mais comum nas esquinas perto de onde se localizava a antiga rodoviária de Imperatriz, um local pobre da cidade. Com isso, podemos até classificar as drogas como sendo causas sociais e culturais, mais o que eu tento entender é como ao longo de nossa evolução, começamos a usar drogas, já que elas acabam trazendo muitos males a nossa sociedade. No reino animal, tem alguns exemplos de algumas espécies que utilizam algumas estratégias para atrair a fêmea que acabam sendo desvantajosas, como um sapo que fica vocalizando para conquistar uma “sapa”, nessa atividade ele acaba ficando exposto a algum predador, por isso acaba criando um dilema: “se eu cantar eu vou ter mais chances de encontrar minha sapa, mais também irei aumentar as chances deu encontrar minha morte”. Outro grupo de vertebrados que tem um dilema parecido são as aves-do-paraíso encontrado na Nova Guiné, os machos desenvolvem uma cauda de 90 cm, penas longas saindo das sobrancelhas que acabam dificultando o voo dessas aves, facilitando assim a vida de seus predadores, então por que desenvolver essas características desvantajosas? A resposta pode estar na teoria de Amotz Zahavi sobre o papel do sinais custosos ou autodestrutivos no comportamento animal. Ele tentou explicar como aspectos prejudiciais dos machos podem atrair uma fêmea exatamente por serem desvantagens.
As explicações seriam mais ou menos assim, o macho que sobreviveu apesar da desvantagem da cauda longa ou do canto chamativo possui genes excelentes em outros aspectos. Ele provou ser especialmente bom para escapar dos predadores, obter alimento e resistir a doenças. Quanto maior a desvantagem, mais rigoroso o teste pelo qual passou. Um homem que corteja a mulher com presentes caros e outras demonstrações de riqueza na verdade esta dizendo: “ tenho muito dinheiro para sustentar você e seus filhos, vê o que eu estou gastando agora sem me abalar”. Com as drogas não é diferente, uma pessoa que começa a usar droga intuitivamente passa uma mensagem: “eu posso usar e não me acontece nada”, o problema é que a droga vicia e deixa o usuário dependente, o que começou a ser feito com o intuito de impressionar, leva a uma dependência química que acaba por prejudicar o usuário. Essa explicação com base na teria de Amotz Zahavi me pareceu a mais aceitável para o fato de apesar da droga ser um mal, ela ter continuada na sociedade.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Como Fazer Uma Mulher Feliz

Quem consegue entender a cabeça de uma mulher? Nós homens tentamos e usamos diversas estratégias para agradá-las, dependendo de nossas intenções, cada caso é um caso, mais na opinião das mulheres, o que um homem tem que ser ou fazer ou deixar de fazer para satisfazê-la em todos os aspectos? Foi com essas perguntas que eu ouvi e li em diversas fontes e pude chegar a uma lista do que o homem tem que fazer e deixar de fazer para conquistar definitivamente o coração de uma mulher. Primeiro, o homem tem que ter apenas algumas qualidades como:

Ser amigo, companheiro, simpático, carinhoso, atento, cavalheiro, inteligente, esportista, criativo, forte, compreensivo, tolerante, bom de cama, mecânico, encanador, eletricista, sexólogo, psicólogo, terapeuta, massagista, prudente, capaz, decidido, confiável, respeitador e apaixonado, e de preferência RICO!!!

Alem dessas poucas qualidades, você tem que ter cuidado com alguns atos, por exemplo:

Não cuspa no chão e nem coce o saco na frente dela, não arrote alto. Ou melhor, nem arrote. Dê flores e muitos, mais MUITOS presentes. Corte e mantenha as unhas sempre limpas, nunca coma as unhas. Não peide sob o cobertor, aliais, não peide. Levante a tampa do vaso antes de mijar, deixe ela ter ciúmes de você (ela pode), não tenha ciúmes dela, dê descarga ao sair da privada, use desodorante (que preste), não fale palavrão, não seja engraçadinha com os outros, principalmente com mulheres, não olhe para outras mulheres, aliais, não existe outras mulheres!!! Não demore no banho, não chegue tarde em casa, saia para trabalhar e volte correndo, nada de beber até tarde com os amigos, aliais, não tenha amigos!!! Não seja pão duro (Use pelo menos 2 cartões de crédito), nunca diga que a mulher não sabe dirigir, diga “eu te amo” pelo menos 5 vezes ao dia, lave a louça, ligue para ela de qualquer lugar e deixe ela falar ao telefone o tempo que quiser, não ronque e faça a barba todos os dias para não arranhá-la, não seja fanático por futebol, não fale mal da mãe dela, ou melhor, ame a mãe dela, “NUNCA RECLAME DE NADA”, repare quando ela cortar o cabelo, mesmo que seja apenas as pontinhas e diga sempre que ficou LINDO!!!

É muito importante, alem desses pequenos detalhes, não esquecer algumas datas como:

Seu aniversário, noivado, casamento, formatura, menstruação, data do primeiro beijo, aniversário da mãe, melhor amiga e até do seu animal de estimação. Infelizmente o comprimento de todas essas instruções não garante 100% a felicidade dela, porque poderia sentir-se presa a uma vida de SUFOCANTE PERFEIÇÃO e fugir com o primeiro traste “gozador da vida” que encontre.

Da pra entender o que pensa as mulheres? É sem dúvida o maior enigma do universo. Nem física quântica é tão complicado.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Sexo em Público e Sexo Privado

Na foto acima, eu pude registrar esse evento (sexo) em um zoológico de Buenos Aires, os protagonistas desse ato é conhecido no mundo científico como, Nasua Nasua, é o famoso “Quati”. Todas as vezes que ocorre fecundação nesta espécie, a gestação dura 2 meses e meio e podem nascer de 3 a 5 filhotes de uma só gestação. Mais o que me chamou atenção não foi o ato em si, mais a quantidade de pessoas que estavam ao redor falando e batendo fotos. Adultos, crianças, homens e mulheres de várias idades estavam todos a poucos metros do casal e para esses dois indivíduos não significavam absolutamente nada. Para os “Quatis”, tanto faz, fazer sexo em público, com outros membros da sua espécies do lado olhando ou se tem outros animais (como os argentinos), ou em privado,porque eles não dão a mínima. Desde desse dia, comecei a refletir que nos seres humanos somos uma espécie que fazemos “sexo privado” ou melhor, somos a única espécie do reino animal que fazemos sexo privado. Acho que muitas pessoas já perceberam isso, mais o que a biologia tem a dizer sobre isso? Quais são as teorias que tentam explicar esse comportamento? Recentemente eu li sobre várias delas e as que estão melhor estruturadas são as 3 teorias seguintes:

Teoria 1.

“O sexo visível fragmentaria a sociedade humana ao afetar os laços entre os indivíduos”

Para explicar essa teoria eu vou citar alguns exemplos, imagine um aluno no final de um curso no momento de sua defesa de monografia, durante a sua apresentação, alguém na platéia resolve fazer sexo ali mesmo, alguém prestaria atenção na apresentação desse aluno? Caso você procure um escritório de advocacia, chegando a este escritório, você começa a dizer qual o seu problema e durante isso a secretária ao lado começa a fazer sexo com seu namorado que deu uma passada rápida no escritório para dar uma “rapidinha”. Outra situação, no meio de uma missa ou de um culto, o padre ou pastor começa a ler uma passagem da bíblia onde fala-se de amor, respeito e normas de conduta para com o próximo, e durante a pregação alguns fiéis resolve fazer sexo no meio da pregação. Você acha que teria como uma sociedade viver de uma forma organizada se fizéssemos sexo em público? Um estudante que defende sua monografia em um auditório onde todos estão prestando atenção na sua defesa, um escritório que se concentra no seu problema e uma pregação funcionariam de uma forma muita mais organizada se não existisse alguém do lado transando, tirando atenção da maioria das pessoas ali presente.

Teoria 2.

“O sexo privado cimenta os laços entre um homem e uma mulher específicos e assentam os alicerces da família humana”

A mulher tem que permanecer sexualmente atraente e receptiva para satisfazer sexualmente o homem para recompensá-lo por ajudá-la a criar o bebê. É um toma-la-da-cá.

Teoria 3.

“As mulheres em busca dos melhores genes”

Uma mulher atraente, pode acabar casando com um homem inferior em vários aspectos, como financeiro ou de saúde. Contudo, mesmo casada com esse homem inferior, pelo fato dela ser atraente, ela pode seduzir em privado outro homem, superior, e obter os genes dele para os seus filhos. No mundo de hoje, algumas mulheres nem sempre são os genes que elas estão interessadas, mais uma pensão gorda, como aparece na mídia, casos que envolvem famosos.

Qual dessas teorias está correta? Não existe um consenso, mais essas são as teorias biológicas que tentam explicar por que somos a única espécie que fazemos sexo privado. Independe de qual teoria estar correta, o fato é que essa característica é mais uma que nos torna diferente dos demais animais.

domingo, 24 de julho de 2011

O Homem Caçador

Os arqueólogos acreditam que o comportamento de caça de grandes mamíferos desenvolvidos pelos primeiros hominídeos foi influenciado pelo ciclo menstrual das mulheres, ou o contrário, não entendi muito bem. Eles argumentam que, a caça de grandes presas teria induzido os primeiros humanos a desenvolver um sistema de cooperação mútua, desenvolver o cérebro grande e a linguagem. Com isso, os bandos começaram a ser formados e alimentos começaram a ser compartilhados. Onde entra as mulheres nessa história toda? Elas simplesmente suprimiram os sinais externos da ovulação mensal, pois nos demais primatas o período fértil dura quase todo o mês, para evitar levar os homens a uma grande competição sexual que viesse a afetar a cooperação entre eles e na caça.

Lendo isso, recordei-me dos povos da Ilha Papua-Nova Guiné localizada no Pacífico Tropical. Dentre as aproximadamente 5 mil línguas faladas no mundo, mil são faladas unicamente na Papua-Nova Guiné. Até pouco tempo atrás, todos os povos das terras altas do interior montanhoso eram camponeses da Idade da Pedra, enquanto os grupos das terras baixas eram caçadores, coletores e pescadores nômades que praticavam uma agricultura casual. Existe muita xenofobia local, uma consequência disso é a diversidade cultural muito baixa, e aventurar-se fora do território tribal, era um gesto suicida.

Alem dos povos encontrados nessa ilha, recordei-me do interior do Maranhão próximo a cidade de Barra do Corda, onde meus pais nasceram e viveram até metade de suas vidas. Meus pais nasceram na década de 1950 através de uma parteira no meio do mato, num lugar onde não se comercializavam alimentos ou roupas nem existia luz ou água encanada. Todo o alimento e roupas era produzido em roças, onde eles plantavam arroz, feijão, fava, mandioca alem de algumas árvores frutíferas como laranja, banana, “tangarina”, lima, abacate e maracujá. Alem dessas frutas, existiam as nativas como o “caju do cerrado” que eles chamavam de “cajuí”, mángua, “araçá”, “marmelada” que é um fruto que dá em brejos que parece uma “macaúba” onde ao estar madura fica com a coloração preta, “ingá” e “guabiraba” entre outras. Durante as décadas de 60 e 70, toda a região em torno da cidade de Barra do Corda era formata por muitas matas onde diversos animais eram caçados por homens que viviam nesses interiores, inclusive meu pai.

O povos da Ilha Papua-Nova Guiné ainda caçam de uma forma extremamente rudimentar, utilizando lanças, facas, arco e flexas, já meu pai e seus 15 irmãos que também viveram no interior da Barra do Corda e plantavam, já caçavam com armas mais modernas como espingardas armadas com balas e pólvora. Quando se começa a ler alguns artigos de arqueólogos famosos, eles sempre argumentam que em um determinado momento o homem começou a caçar grandes presas e sua alimentação deixou de ser a base de vegetais (quando o homem era um animal coletor) e passou a ser mais carnívora, cheio de proteínas (quando ele começa ser um animal caçador).

Estudos sobre caçadores-coletores modernos como os da Ilha Papua-Nova Guiné demonstram que a maior parte das calorias consumidas por uma família provém dos vegetais coletados pelas mulheres. Os homens caçam coelhos e outras presas pequenas, ocasionalmente caçam um animal de grande porte mais isso só afeta de forma significativa o consumo de proteínas, quando é realizado por povos caçadores-coletores do Ártico, onde não há muitos vegetais disponíveis, e a caça de grandes presas é a principal fonte de alimentação. Mais os primeiros humanos viveram em ambiente de florestas e cerrados, vegetais não faltavam para completar sua alimentação.

Em uma conversa que eu tive com meu pai eu pergunto:

- Pai, o senhor saia pra caçar com que freqüência?

-Aos Sábados.

- O senhor alguma vez voltou para casa sem nenhuma caça?

- Demais, várias vezes. Mais já teve noite que eu peguei junto com o Loreno (amigo dele) seis “pebas”.

- Então a caça não era o que mantinham a alimentação de vocês né?

- Não, la no interior agente plantava roça e colhia, tinha colheita de arroz que durava 2 anos nos “paio”.

- Mais vocês comiam carne todos os dias?

- Comia por que o Papai tirava um quarto de boi e botava pra secar, guardava dentro de umas malas de couro, as carnes secas. Todo dia tinha carne pra comer.

Pois bem, os caçadores-coletores modernos da Ilha Papua-Nova Guiné que ainda vivem como os homens da Idade da Pedra, e meus pais e tios que viveram as décadas de 60 e 70 caçando com armas modernas que utilizavam pólvoras e balas, nenhum deles conseguiam viver de caça de grandes presas, ou seja, eles viveram e ainda vivem a base de vegetais, como arroz e feijão aqui no Brasil e arroz e outros vegetais na Papua-Nova Guiné. Em pleno século XXI, não encontramos povos vivendo em regiões equatoriais e tropicais vivendo a base de grandes presas, todos sobrevivem a base de vegetais na sua alimentação, como então os primeiros humanos conseguiram viver a base da caça de grandes mamíferos como afirmam alguns arqueólogos? Os primeiros humanos podem até ter caçado grandes presas, mais acho que isso nunca foi significativo para o desenvolvimento do cérebro grande e a linguagem, muito menos a redução de período menstrual nas mulheres.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Menos de 2% do DNA

“Então Deus modelou o homem com argila do solo, soprou nas narinas um sopro de vida. E o homem tornou-se um ser vivente”

(Gênese 1, 7.)

Hoje em dia existe uma técnica chamada de hibridização de DNA, onde o DNA de duas espécies são colocadas em uma solução e essa solução é aquecida até as pontes de hidrogênios que ligam as duas fitas do DNA serem rompidas, logo em seguida a solução é resfriada e, caso as moléculas de DNA das duas espécies tenha os mesmos gentes, essas moléculas se hibridizam. Essa técnica começou a ser utilizada misturando o DNA humana com o de outras espécies, afim de averiguar qual entre todas as espécies de animais viventes, possuía DNA mais parecido com o nosso. E o resultado foi o seres humanos compartilham de mais de 98% dos genes com o Chimpanzé. Menos de 2% do nosso DNA é capaz de causar toda essa diferença encontrada a nossa volta. Não só parece, mais é óbvio que nós somos distintos de todos os animais. Temos características únicas e restritas a nós, entre essas características eu posso citar o fato de falarmos, escrevermos e construirmos máquinas complexas. Quase todo mundo usa roupas e aprecia a arte, alem de muitos de nós acreditam em uma religião. Estamos espalhados em todas as partes da Terra e, recentemente estamos nos expandindo para as profundezas dos oceanos e do espaço. E o que dizer do nosso comportamento? Temos alguns bem obscuros, como o genocídio, o prazer na tortura, o vício em drogas e o mais obscuros deles, o extermínio de milhares de outras espécies. Podemos encontra essas características em uma ou outra espécie, mais nós ultrapassamos amplamente os animais nesses aspectos.

Em 1859, Charles Darwin publicou o livro a origem das espécies e o mundo ficou chocado quando ele afirma que evoluímos dos primatas, primatas ancestrais que originaram os primatas atuais e nisso está incluso o homem. Com toda a diferença que tempos em relação aos outros animais, é claro que o mundo iria tomar um susto quando alguém falasse que nós estamos no mesmo nível dos outros animais, ou seja, somos mais um animal respirando, comendo e se reproduzindo aqui na Terra. As nossas características únicas, fez com que conseguíssemos o atual êxito biológico e biogeográfico como espécie. Qual animal de grande porte é nativo em todos os continentes? Qual outro animal de grande porte se reproduz em todos os habitats? Desde os desertos e do Ártico à florestas tropicais. Qual o animal selvagem tem uma população comparável a nossa? Porem, como diz Jared Diamond: “Dentre as nossas qualidades singulares há duas que atualmente põem em risco a nossa existência existência – a nossa propensão em matar o nosso semelhante e a destruir o meio ambiente.”

Menos de 2 % de nosso DNA foi capaz de fazer toda a diferença entre um chimpanzé que utiliza algumas ferramentas rudimentares para caçar e o ser humano que desenvolveu uma bomba nuclear capaz de destruir uma cidade inteira em instantes.

terça-feira, 12 de julho de 2011

O Mundo dos Gibis

“Existe dois tipos de verdade: aquela que ilumina o caminho e aquela que aquece o coração. A primeira é a ciência, e a segunda é a arte. Nenhuma das duas independe ou é mais importante que a outra...a verdade da arte impede a ciência de se tornar desumana, e a verdade da ciência impede a arte de se tornar ridícula”

(Chandler)

Eu li esse parágrafo esta semana em um gibi. E essa minha história com o mundo dos quadrinhos começou na minha infância, onde em um final de manhã eu acompanhei meu amigo James até a sua casa e me deparei com seu irmão Jairo fazendo um desenho de um super-herói da Marvel Comics, se não me falhe a memória, ele desenhava o homem-aranha. Achei aquele desenho fantástico e logo em seguida ele me trouxe vários desenhos que ele havia produzido.

- De onde tu tira esses desenhos?

- Eu coleciono revistas do homem-aranha.

Foi então que o Jairo trouxe uma caixa com várias revistas do homem-aranha, ele tinha muita revista mesmo e me perguntou se eu queria levar alguma pra ler. Eu disse tudo bem, ele procurou algumas e me entregou, dias depois eu estava na esquina da rua Ceará com a Dorgival no centro de Imperatriz em uma banca de revistas usadas comprando o meu primeiro gibi do homem-aranha, o Jairo tinha feito surgi ali mais um colecionador e admirador do mundo dos quadrinhos.

A atual editora Globo, era chamada de RGE (Rio Gráfica e Editora) e esta possuía os direitos de publicar as histórias do homem-aranha. As historias duraram pouco tempo até que a editora Abril conseguiu os direitos de publicar as aventuras dos personagens da Marvel Comics como, Hulk, Capitão América, X-Men, Vingadores, Quarteto Fantástico, Demolidor, o Justiceiro, Motoqueiro Fantasma e em 1983 sai o primeiro gibi do homem aranha. Essa editora publicou a revista mensal “ o homem –aranha” de 1983 até 2000, totalizando 205 gibis. E durante esse período outro título foi acrescentado: “A teia do aranha” totalizando mais 129 gibis. Nesse período de 17 anos de publicações várias mini-séries em quadrinhos foram lançadas como, “A ultima caçada de Kraven”, “Tormento”, “Carnificina Total” entre outras, que se tornaram aventuras memoráveis para os fãs do escalador de paredes. Em 1998 a revista do homem aranha passava por um momento que desagradou milhares de fãs (a saga do clone), causando o descontentamento de uma legião inteira, vários amigos que eu tinha que eram colecionadores pararam de comprar inclusive eu. A partir do ano 2000, a editora Panini consegue os direitos de publicar os títulos da Marvel Comics e hoje a revista que é encontrada na banca, tem um formato maior que a revista que era publicada pela editora Abril e está no número 114 até esta data (11/07/2011). A dois anos eu voltei a compra os gibis do homem aranha publicados pela Panini, outro título também foi criado recentemente, “A Teia do Homem-Aranha” , só que esse gibi é trimestral e não mensal como a revista “O Homem-aranha” e está no número 7. Alem dos heróis da Marvel Comics já citados, existem outros heróis da DC Comics como, Batmam, Super-Homem e Liga da Justiça que são os mais conhecidos, fora desse mundo dos heróis, outra classe de quadrinhos pode ser encontrado nas bancas, um tipo de quadrinho em que as histórias envolve sexo, drogas, demônios, rituais satânicos, prostituição, zumbis, crimes policiais entre outros temas do tipo, são os gibis da Vertigo, onde o personagem mais conhecido ganhou uma adaptação para o cinema a pouco tempo: “John Costantine”. Os últimos 10 anos, os “Animes” ganharam muita força no Brasil e no mundo, eles também invadiram os gibis e pode se encontrar uma diversidade de títulos nas bancas conhecidos como “Mangás”, eu já tentei ler esse tipo de gibi mais confesso que não consegui, por que o gibi é lido de trás pra frente, eu simplesmente não consegui acompanhar, mais já conheci alguns amigos que gostam bastante e falaram que no início é mesmo complicado mais que depois acostuma.

Uma criança que entra no mundo dos quadrinhos e passa sua adolescência acompanhado esse tipo de leitura pode ser considerado um privilegiado, quem não conhece e olha um adolescente ou um adulto comprando gibi faz uma boca de riso e às vezes até brinca:

“Você não teve infância?”

Quem teve uma infância no mundo dos quadrinhos teve muito mais sonhos e usou muito mais a imaginação do que qualquer outra criança,teve muito mais acesso a informação e cultura, isso eu afirmo plenamente. Quem acompanhou gibis e acompanha sabe do que eu to falando, os gibis de heróis não se limitam a heróis e vilões fantasiados trocando socos, vai muito alem disso (releia a frase do parágrafo do início da postagem), as histórias envolve mutação, recombinação gênica, engenharia genética que pra quem gosta de ciência é um prato cheio, outros personagens como Wolverine, passou pelas duas guerras mundiais e parte da sua vida foi no Japão no templo de Samurais, quem acompanhou essas histórias do velho Logan, se familiarizou com os principais eventos das duas guerras mundiais e do mundo dos Samurais no Japão, mundo que envolve disciplina, honra, caráter, respeito. Os X-Men trata de temas como o preconceito em relação ao diferente, temas como racismo e discriminação são bastante abordados no universo mutante, o Capitão America possui um vilão chamado Caveira Vermelha, que foi um camareiro de Hitler na segunda guerra mundial, Hitler o treinou pessoalmente,oferecendo ao final do processo uma mascara vermelha no formato de um crânio, a partir daí , os gibis do Capitão America abordam temas como nazismo e holocausto. Cada herói trás consigo algum tema e o mais famoso deles foi eternizado agora pelo cinema: “com grandes poderes, vem grandes responsabilidades” do homem-aranha. Comecei a ler gibis por influência do meu amigo Jairo, hoje minha namorada (Samara) esta participando comigo desse mundo dos quadrinhos, ta lendo até mais do que eu e recentemente ao entrar em uma banca eu presenciei uma adolescente escolhendo alguns gibis para comprar, ele olhava, lia a sinopse, avaliava e até que escolheu e foi pra casa. Eu fiquei muito feliz com aquilo, no mundo de hoje da internet, face, Orkut, MSN...uma adolescente lendo gibis!

Foto da minha coleção de gibis do homem-aranha da editora Panini.

Minha coleção de gibis da editora Abril.

domingo, 26 de junho de 2011

Bons livros.





Hoje eu comprei dois livros do Joe Sacco, pra quem não conhece, esse cara se formou em Jornalismo e era um cara viciado em gibis, em um determinado ano da sua vida ele largou o jornalismo e começou a desenhar algumas biografias e contos de comédia para uma revista nos EUA, foi quando ele começou a se interessar por conflitos. Ele passa então a viajar para os conflitos que estava acontecendo no mundo, acessando a uma quantidade grande de fontes e depoimentos de pessoas ligadas diretamente nos conflitos, ele começou a desenhar e explicar vários fatos através dos seus desenhos, ele já ganhou alguns prêmios devido a esse tipo de trabalho que ele desenvolvi e eu particularmente admiro o trabalho desse cara, hoje os livros que eu tenho dele são: “Notas sobre Gaza”, “Uma história de Sarajevo”, “Área de segurança Gorazde: A guerra na Bósnia Oriental 1992 – 1995.









Se quiser entender sobre a guerra da Iugoslávia e os conflitos entre Palestinos e Israelenses eu recomendo esses livros. Outros livros que marcaram minha vida em épocas diferentes que eu também recomendaria são: “Karluk” da autora Jennifer Niver, esse livro tem um poder muito grande de impressionar quem o lê. Todas as pessoas que eu emprestei esse livro falaram a mesma coisa, “Cara, esse livro mudou completamente a forma que eu olho as coisas, eu passei a valorizar mais as coisas, principalmente o sol”.







Esse livro conta a história de uma expedição trágica ao pólo norte onde a autora teve acesso aos diários dos tripulantes e escreveu o livro. Para mim foi o melhor livro que eu já li na vida. Outro livro que me marcou bastante foi um clássico: “A volta ao mundo em 80 dias” do Júlio Verne, Phileas Fogg, um cavalheiro britânico, aposta com os membros do seu clube que fará a volta ao mundo em oitenta dias.







É uma leitura emocionante do começo ao fim. Nos romances modernos, eu indicaria sem a menor sombra de dúvida “Nada dura para sempre” do autor Sidney Sheldon, ele leva o leitor ao mundo de um grande hospital e conta a história de jovens médicas e seus pacientes envolvidos com viciados e milionários com um final surpreendente. Nos livros históricos teve um que também marcou minha adolescência, “A era dos extremos” do Eric Hobsbawn. Ele faz um resumo dos principais fatos do século XX. “O mundo assombrado pelos demônios” do Carl Sagan, é um livro de leitura obrigatória para aquelas pessoas que se impressionam com histórias quem vem ao público através dos meios de comunicação, histórias que muitas vezes não tem uma fonte verdadeira e que acabam impressionando muita gente como explicações pseudocientíficas e místicas para seres vindo de outros planetas.






Maus – A história de um sobrevivente” de Art Spiegelman é sem dúvida o melhor livro já feito que eu li sobre o holocausto, e olha que eu já li uma dúzia de livros que trata do tema. “O Código Da Vinci” do Dan Brown é pra mim o melhor livro dele e acho que não precisa de apresentações, o mundo quase todo leu esse livro.









Antes de publicar essa postagem eu fiz uma rápida pesquisa na net sobre os valores desses livros, e o total pago por uma pessoa que desejar ler estes livros é 362,78 R$, isso sem o frete. Ou seja, como o Brasil vai se tornar um país de leitores se um trabalhador assalariado ganha menos que 600 reais por mês? Qual o assalariado daria mais da metade do seu salário (362,78 R$) na compra de 10 livros??? Quando entrei no salão do livro hoje percebi essa triste realidade, todos os anos aparecem políticos e pessoas dando entrevista falando do quanto é importante bons livros na vida das pessoas, acho que seria melhor ainda melhorar o salário das pessoas para estas terem acesso á determinados livros. Os livros são muito caro ou o salário é de menos? Acho que as duas coisas.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Símbolos


A palavra símbolo é deriva do grego antigo Symballein, que significa agregar. Seu uso orginou-se no costume de quebras de um bloco de argila para marcar o término de um contrato ou acorto. Cada pedaço identificava uma pessoa e era conhecidos como symbola. Com isso, o símbolo acaba carregando um sentido de unir as coisas para criar algo maior do que a soma das partes. Símbolos então se tornaram veículos para a informação e significado, aparecem na natureza e podem se referir às informações pré-existentes, como no caso de fumaça, que significa fogo por perto ou pegadas, simbolizando a presença de um animal em particular. Entre a era do Australopitecos, (aproximadamente 3,6 milhões de anos a. C.), os humanos começaram a fazer ferramentas, aprenderam a usar o fogo, construíram casas com lareiras e começaram a usar a linguagem, os rituais e símbolos. O que sabemos de nossos ancestrais vem de evidências arqueológicas, como pinturas em cavernas, artefatos e traços de possíveis práticas rituais. Muitas das primeiras pinturas em cavernas, como as da caverna Trois Frères, no Sul da França, retratam seres que possuem uma parte animal e outra humana em sua forma. Uma figura masculina com barba, orelhas de touro. Chifres e rabo de cavalo. Em Lês Hoteaux, em Ain, na Franç, foi encontrado dentro de uma pequena vala, coberto com ocre vermelho. Havia uma pedra enorme por trás de sua cabeça, ferramentas de pedra e um bastão feito com chifre e um entalho de veado. Corpos foram encontrados em tumbas e túmulos rasos, junto com jóias, ferramentas e objetos utilizados em rituais, outros estavam deitados em uma posição dobrada, será que as pessoas que o enterraram estavam com medo desse indivíduo voltar? O tempo foi passando e os seres humanos desenvolveram a agricultura e a pecuária, com isso se fixaram a terra, deixaram aquela vida nômade e começaram a se organizar em sociedade, surgindo assim a divisão do trabalho, divisão essa que foi auxiliada com a criação de letras, números e símbolos que ajudariam todos a viveram em uma certa “harmonia”, o tempo passa e hoje temos símbolos que nos dizem muita coisa, dependendo da cultura que estejamos inserido, mais existe uma figura na sociedade ocidental que teoricamente seria para representar a alegria, essa figura é o palhaço. O símbolo do palhaço teoricamente é para transmitir alegria e foi devido a esse significado que eu acabei participando de uma festa para criança no final dos anos 80. Chegando nessa festa, eu ainda uma criança tímida e acanhada, entrei no local onde se realizava uma festa para crianças. Os responsáveis pela festa eram dois palhaços que eu não consigo me recordar dos nomes, eu me aproximo até próximo ao palco e vejo aqueles dois palhaços fazendo palhaçadas que eu não achava a menor graça, olhava a minha volta e muitas crianças sorriam. Nessa época o que eu achava realmente engraçado era os Trapalhões, e não aqueles palhaços com aquelas caras mal pintadas e cabelos de palha. Um dos palhaços então resolve interagir conosco, escolhe uma menina e a leva para o palco, ele diz que também precisava de um menino, a para o meu desespero eu fui o escolhido. Me pegam pelo braço e eu simplesmente sou levado com meus olhos esbugalhados até o palco e todos agora olham para mim. Eu olho para a menina que, pela sua cara, também não estava gostando de estar ali em cima, o palhaço então faz uma brincadeira extremamente estúpida e traumática para uma criança, ela pergunta ao público:
- Pessoal, qual dos dois aqui é o mais bonito? O mais bonito vai receber um prêmio.
Nessa hora eu olho para minha concorrente a “beleza infantil” e ela olha pra mim com aquele olhar de desesperada e voltamos a olhar para o público infantil que a essa altura delirava e gritava muito, até que o palhaço aponta para a menina e pergunta:


- É ela?


E o público responde aos coros que não, logo em seguida ele aponta pra mim e pergunta:


- É ele?


E todos aplaudem e gritam muito, eu olho para a minha concorrente a beleza infantil e percebo os olhos dela começarem a lacrimejar , nessa hora eu penso: “esse palhaço é doido, como ele fez isso com essa menina?” e logo em seguida eu sito o palhaço me levantar e me mostra para o público como se eu fosse um troféu que o time ganha no final do campeonato. Eu olho para o público e em seguida o palhaço me dar um saquinho de “chilito”, um salgadinho bem famoso em Imperatriz nos anos 80 e 90. Eu pego meu pacotinho de chilito e vou me sentar em um canto naquelas cadeiras de ferro que encontramos em bar, olho para o pacote e penso na menina que concorria comigo, olho em minha volta, nenhum sinal dela. Começo a apertar o saco de chilito para abri-lo foi quando o saco estoura e derrama todo o meu salgadinho no chão. Eu estava agora sentado com um saco de chilito vazio na mão e olhando todo o chilito no chão, olho para o meu lado e vejo o palhaço que tinha me dado o chilito, pensei em ser honesto com ele falar o ocorrido e vê se tinha como ele me dar outro chilito, me dirijo a ele e mostro o meu saco vazio e mostro todo meu salgadinho no chão.


- Seu palhaço, eu fui abri e o chilito estourou, tem como o senhor me dar outro?
- Sai daqui moleque!!!


Todas as vezes que vejo um palhaço, é isso que me vem na cabeça. O palhaço que simboliza alegria, pra mim é um...fica a seu critério terminar essa frase.

sábado, 21 de maio de 2011

Álcool e o Irresponsável



O artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro determina que é pena gravíssima dirigir sob a influência de álcool em nível superior a seis decigramas por litro de sangue. A pena para esta infração compreende multa, retenção do veículo e suspensão do direito de dirigir.


O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) é o órgão brasileiro responsável por organizar as estatísticas de trânsito, estabelecer o padrão de coleta das informações e promover sua divulgação. Antes de escrever essa postagem, resolvi analisar quantas pessoas morem no trânsito no Brasil, e percebi que os dados do Denatran não estão atualizados, pois só existem dados até o ano de 2006. Pois bem, no ano de 2006 ocorreram 19.910 vítimas no trânsito brasileiro, em 2005 foram 26.409, já no ano de 2004 morreram 25.526 pessoas e nos anos anteriores o número sempre é em torno de vinte e cinco mil ou seja, daqui a 40 anos 1 milhão de pessoas irá morrer no trânsito aqui no Brasil.

Em 11 de setembro de 2001 o mundo viu um bando de homens dominaram aviões e jogarem em alguns prédios dos EUA, depois daquilo começou uma guerra no país de origem daqueles homens, uma guerra no Afeganistão. Segundo os dados do site g1.globo.com, em 2001, morreram 1.968 soldados, já em 2010 o número de mortes foi de apenas 400 soldados. Já os civis não tiveram a mesma sorte, em 2007 foram estimadas 1.523 mortes de civis, em 2008 o número subiu para 2.118 mortes e continuou subindo para 2.412 mortes no ano de 2009. Mais esses números não chegam nem perto das 25.000 pessoas que morrem no trânsito do Brasil todos os anos. Da pra acreditar? Na guerra do Afeganistão morrem em média 2.500 pessoas por ano e no trânsito brasileiro morrem 25.000 pessoas por ano!


Eu tentei encontrar as porcentagens de vítimas ou acidentes que envolviam o álcool, mais não tive sorte, pelo menos no site do Denatran eu não consegui encontrar. Mais creio que todas as pessoas acima de 18 anos sabem de algum acidente de trânsito que ocorreu devido a o consumo de álcool e logo em seguida o condutor resolveu dirigir.


Quinta-feira a noite, sentaram-se na mesa da Boate Texana eu e minha namorada, alem de um colega de São Luís chamado “Randolfo” nome esse que eu nem sei com o que parece, só sei que é único no universo e mais três pessoas. A banda Pilantropia começa a sua apresentação, com seu repertório de mais de 100 músicas de rock, pop rock e seus variantes. Até que uma das três pessoas me oferece uma cerveja.


- Vai beber não?
- Estou dirigindo.


A pessoa que me faz essa pergunta é o apresentador local do JMTV chamado Breno, ele logo em seguida faz um sinal de positivo com o polegar pra mim. O seu colega ao lado não percebe e logo em seguida também faz a mesma pergunta:


- Vai beber não?
- Estou dirigindo.


Só que a reação dele não foi igual a do Breno, ele logo em seguida comenta:


- Rapaz, tu não ta em São Luís não, tu ta é em Imperatriz, olha eu, to dirigindo também e to bebendo, não tem nadinha aqui.
- tô dirigindo, relaxa.


Pra que serve as leis de trânsito se a maior parte das pessoas acham que só tem que obedecer a essas leis quando existe fiscalização? Um país que morre dez vezes mais gente no trânsito do que na guerra do Afeganistão teria que mudar um pouco essa mentalidade, existe muitos meninos e meninas órfãs e pessoas sem membros por irresponsabilidade de pessoas que pensam assim. Bebem, dirigem (pois não existe fiscalização) e as vezes acaba com uma vida de alguém que não tem nada haver com a sua irresponsabilidade.