sábado, 24 de julho de 2010

Baía de Alcântara


Eudocimus ruber é o nome científico da ave conhecida como Guará , encontrada no norte do Maranhão. Mede cerca de 50 a 60 cm e possui uma cor vermelha devido sua alimentação à base de um caranguejo que possui um pigmento que tinge as plumas. É um tipo de ave que se reproduz em colônias e o ninhal do Maranhão existe uma estimativa de mais de 2.000 casais se reproduzinho. Elas põe em média 2 ovos por ninho, os filhotes nascem marrom e depois ficam vermelhos quando passam a se alimentar do caranguejo. Até hoje no Brasil só foi descoberto 3 locais de nidificação (local onde a ave faz seu ninho). No manguezal dos estados do Amapa, Maranhão e São Paulo. Eu, juntamente com mais dois colegas (Ighor e Rafael ) resolvemos olhar de perto o ninhal de Guará do estado do Maranhão que fica localizado no mangue a 5 km da cidade de Alcântara. Diariamente, partem lanchas de São Luis que atravessam a baía de São Marcos rumo a Alcântara em horários determinados de acordo com a variação da maré. Nesse dia saímos bem cedo, entramos na lancha e aportamos em Alcântara bem cedo. A primeira etapa da viagem estava feita, logo após isso tinhamos que encontrar o “cafezinho” um homem de 1,90 de altura que até hoje eu não sei a razão do apelido no diminutivo. A cidade de Alcântara não é muito grande, e o movimento que se vê sempre são turistas chegando e saindo, começamos a pergutar e rapidamente encontramos “cafezinho”.A importância dele para chegarmos as aves é que ele era pescador e sabia onde o ninhal estava. Acertamos com ele o preço e partimos para a baía de Alcântara. Para chegar ao ninhal teríamos que atravesar a baía de Alcântara que tem uns 5 km de largura, até ai tudo bem, mais quando chegou a embarcação do cafezinho vimos apenas uma canoa com um remo. Eu, Ighor e Rafael nos olhamos e começamos a sorrir (enfrentar 5 km de mar em uma canoa com apenas um remo não era uma idéia muito boa). Eu disse:
- Vamos, o cara é pescador e conhece as maré aqui da região.
Três horas de remadas depois, atravessada a baía, estavamos no meio de um grande manguezal onde milhares de aves estavam sobre nossas cabeças, casais, filhotes, ovos quebrados na lama, urubus tentando entrar no ninhal para capturar filhotes mortos...perfeito. Descemos na lama do mangue e cafezinho foi pescar em outro local, uma hora depois ele voltaria para nos buscar. Ighor encontrou um ovo de Guará na lama antes do cafezinho sair:
- Ighor, guarda na canoa.
- Relaxa, eu levo.
Não sei por que Ighor resolve levar o ovo com ele no bolso da calça. Uma hora depois do meio da lama:
- Rafael que horas são?
- 12:30.
- Vamos, o cafezinho ja deve ter voltado. Nos gastamos 3h para atravessar a baía, se sairmos 13:00 daqui vamos chegar em Alcântara 16:00 e a última embarcação sai para São Luís as 16:30!
Um hora da tarde estamos todos na canoa fedendo a suor e lama, Ighor, alem de lama e suor, estava fedendo a ovo de Guará, pois o ovo que ele não quis guarda na canoa quebrou dentro do seu shorte. Até ai o dia estava perfeito, foi quando o único remo da canoa quebrou.
- Caramba!
- Fudeu.
Cafezinho, nessa hora fala que vai nadar até o mangue, conseguir um galho para poder amarrar no remo para podermos atravessar a baía. Ele pula na água e ficamos na canoa a deriva na baía de Alcântara, nessa hora Rafael estar comendo e me oferece comida:
- quer um pouco?
- não to sem fome. Eu respondo.
- rapaz, se agente morrer, eu pelo menos quero morrer com a barriga cheia.
- olha esse louco! Responde o Ighor.
Um tempo depois cafezinho retorna e amarra um galho ao remo quebrado. Continuamos a atravessiva, derrepente no meio da baía começamos a ver o fundo. Estamos passando em cima de uma “crôa”( um banco de areia imenso no meio da baía). Cafezinho diz:
- Vocês irão descer aqui e caminhar a pé até a borda da crôa do outro lado (perto de Alcântara), eu vou retorna e tirar a canoa antes da maré descer.
- Beleza. Alguem responde.
Cafezinho tinha que tirar a canoa antes da maré baixar, pois com a maré baixa a canoa ficaria encalhada no meio do banco de areia e estavamos mais perto da borda do ninhal do que da borda que ficava voltada para Alcântara. Saimos da canoa e colocamos os pés na crôa com a água na cintura, olhavamos para tras e estavamos a uns 2 km do mangue e olhavamos para frente e estavamos a uns 3 km de Alcântara, do nosso lado mar aberto(é uma sensação boa, pelo menos foi o que eu achei). Quase uma hora depois a maré tinha descido, estavamos sentados na borda da crôa, e nenhum sinal do cafezinho.
- Será que pode ficar pior?
-Cara, a maré começou a subir. Cadê o cafezinho?
Olhavamos para todos os lados e nada do cafezinho, em poucos minutos a maré ja estava no joelho. Olhamos um para o outro, eu falei:
- Ighor, foi um prazer ter te conhecido cara (gargalhadas).
- Foi um prazer também cara (mais gargalhadas)
- Rafael, valeu. Rafael diz sorrindo:
- Foi um prazer.
Quando se estar perto da morte existe vários tipos de reação, nos caímos na gargalhada. Acho que por isso eu lembrei do Coringa, interpretado por Jack Nicholson no filme do Batma de 1989 onde ele morre sorrindo após cair de um prédio. Quando a água estava perto de nossa cintura avistamos um ponto distante no horizonte, era o cafezinho com a canoa. Começamos a correr até ele, entramos na canoa e continuamos. Antes de chegarmos a Alcântara, conseguimos ver a última embarcação partindo. Era quase 18:00 horas quando colocamos os pés em terra firme e pagamos cafezinho. Ighor diz:
- e agora?
Apesar do dia que tivemos, por mais inacreditável que possa ser, a pior parte da viagem viria a noite. O único dinheiro que tínhamos era os da passagem de volta, tinhamos que tomar banho, comer e dormi. Mais aonde? Essa história eu conto outro dia.

8 comentários:

  1. Boa postagem...
    vcs 3 juntos não sai "bons frutos",
    ENQUETE...
    QUAL SERÁ O "PÉ FRIO" DOS TRÊS???

    bju baby
    Mayra Nina

    ResponderExcluir
  2. nossa Emílio essa história é pra ser conta aos teus filhos ... se isso tivesse acontecido comigo, eu teria ajudado a maré encher mais rádido com minhas lágrimas de desespero aushuhasu . Porém tu é a coragem em pessoa! Tô pensando seriamente em fazer biologia .

    ResponderExcluir
  3. Respondendo a Mayra: tem um empate técnico entre Rafael e Ighor.

    Respondendo a Thayna: Olha é o melhor curso que existe mais tem um detalhe, não dar dinheiro. rsrsr

    ResponderExcluir
  4. Putz, vcs iriam morrer e estavam rindo...shauhsuasua....já vi casos assim na faculdade o cara está altamente ferrado(talvez seria jubilado) e cair na gargalhada(não vou citar nomes XD).

    Mas indo para campo contigo apesar de alguns momentos ruins (1ª vez: minha calça só fedendo a mangue, 2ª vez: não conseguir dormir por causa de mosquitos Zíper da barraca estava quebrado, 3ª vez: perdi o celular do meu irmão no mangue)...mas apesar de tudo isso ir para campo sempre será bom, vc consegue ganhar seu dia em poucos minutos ao notar coisas que nunca olhou na vida....

    ResponderExcluir
  5. Kkkkk... Termina logo a história, pow! rsrs
    Cafezim desgramado! Ainda disse pra essa misera levar outro remo pra ajudar ele!

    hehe aguardo a continuação
    Rafael

    ResponderExcluir
  6. kkkkk... que louco ... eu lembro bem dessa história e ela tá longe de terminar!

    mas acho que o pé frio é emílio, se contarmos outras viagens...
    hehehe

    ResponderExcluir
  7. Que isso, eu nunca fui pé frio. rsrss

    ResponderExcluir